MULTAS

A Prefeitura de Nova Odessa autuou mais dez pessoas na sexta-feira (2) por descarte irregular de lixo e entulho em uma estrada de terra do município. Os casos foram registrados ao longo da semana por fiscais da Secretaria de Meio Ambiente e os infratores identificados por meio de documentos descartados e placas de carros flagrados no ato do crime ambiental. Em 15 dias, foram 16 autuações na cidade, uma média de mais de uma por dia. Todos serão enquadrados na lei municipal 2.883/2014, que prevê multa de R$ 500 na primeira infração e R$ 5 mil para reincidentes.

FEIRA NOTURNA

A partir desta quinta-feira, dia 8 de agosto, a Feira Noturna vai funcionar em novo endereço: o estacionamento da Rodoviária de Nova Odessa. A mudança, anunciada na manhã de sexta-feira (2) pelo secretário de Desenvolvimento Econômico, José Mário Moraes, será necessária por conta do avanço das obras de revitalização da Praça ‘José Gazzetta’, onde a feira é montada todas as quintas-feiras, das 18h às 22h.

ARMAS

O presidente Jair Bolsonaro lamentou neste domingo a ocorrência de dois atentados a tiros nos Estados Unidos, no final de semana, que resultaram na morte de 30 pessoas, mas disse que “não é desarmando” as pessoas que tais casos podem ser evitados. “Lamento, já aconteceu no Brasil também. Lamento. Agora, não é desarmando o povo que você vai evitar isso aí”, disse ele a jornalistas em Brasília. “O Brasil é, no papel, extremamente desarmado e já aconteceu coisa semelhante aqui no Brasil”, acrescentou. Sobre o tema, Bolsonaro já colheu algumas derrotas no Parlamento, como no caso do decreto que flexibilizou a posse e o porte de armas.

AMEAÇAS

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Felipe Santa Cruz, afirmou que tem recebido ameaças em redes sociais desde semana passada, após o embate público que teve com o presidente Jair Bolsonaro. Felipe Santa Cruz afirmou que sua equipe encontrou uma ameaça mais grave entre elas, sem dar detalhes do que seria. Ele ressaltou que prefere não acompanhar esse tipo de mensagem. “Confio que a Polícia Federal vai identificar o perfil e esclarecer, antes de mais nada, se é um destempero, uma loucura que as pessoas às vezes falam, ou se é algo que devemos mesmo nos preocupar e enfrentar como algo relevante e uma ameaça grave contra minha segurança ou de minha família”.

Publicidade
AllGo Locação de Impressoras

EXPLICAÇÕES

A ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Rosa Weber deu 15 dias para o presidente Jair Bolsonaro explicar declarações dadas durante um evento em maio, nos Estados Unidos. A ministra é relatora de uma ação da defesa de Dilma Rousseff, que acionou o STF com uma interpolação judicial para saber se a fala de Bolsonaro foi ofensiva à ex-presidente. Em um discurso em Dallas, ao receber o prêmio da Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos, Bolsonaro disse que “quem até há pouco ocupava o governo teve em sua história suas mãos manchadas de sangue na luta armada, matando inclusive um capitão”. Ele se referia ao capitão norte-americano Charles Chandler, morto a tiros em São Paulo em 1968.

OMITIDA

O ministro da Justiça, Sergio Moro, omitiu uma palestra remunerada que deu em setembro de 2016 ao prestar contas de suas atividades quando era o juiz responsável pelas ações da Operação Lava Jato em Curitiba. O Tribunal Regional Federal da 4ª Região, responsável pela revisão dos processos da primeira instância do Paraná, informou que Moro declarou ter participado de 16 eventos externos em 2016, incluindo 9 palestras, 3 homenagens e 2 audiências no Congresso Nacional. Mas a relação de eventos não inclui uma palestra mencionada numa mensagem que ele enviou ao procurador Deltan Dallagnol pelo aplicativo Telegram em 2017, que faz parte do pacote obtido pelo site The Intercept Brasil.