in

Inexplicável

INEXPLICÁVEL
O vereador Cláudio José Schooder, o Leitinho (PV), se faz de vítima, vai às redes sociais com cara mansa e tenta explicar o inexplicável. Foi o que acabou de fazer para justificar a publicação desta coluna e a agressividade na qual tratou o colega de Parlamento, o vereador Elvis Garcia, o Pelé (PSB). Durante audiência pública de saúde Leitinho disse ao colega que ele havia chegado agora na Câmara e que não deveria “cantar de galo”. O vereador deveria saber, já que é “veterano” na Câmara, ao menos tratar o próximo com respeito.

EDUCAÇÃO
Respeito é demonstração de consideração por uma pessoa ou coisa. Leitinho, definitivamente, não demonstra respeito ao Parlamento quando sobe em cima da bancada, quando fala ao colega para ele não “cantar de galo” e quando chama o presidente de “ditador”, como já ocorreu. Estas são só algumas das demonstrações da falta de educação do vereador. Existem tantas outras.

POLÊMICA
O fato é que a postura adotada pelo vereador não passa de estratégia. Ele cria situações de forma proposital para ganhar espaço em mídia e gerar polêmica em rede social. O tema que Leitinho defendia durante o debate era sim importante, mas sua agressividade mais uma vez roubou a cena. Em tempo: Leitinho falava sobre qual UBS entendia ser melhor para atuar como Pronto Atendimento. Defendia uma opinião pessoal, apenas.

Publicidade
AllGo Locação de Impressoras

DÚVIDA
Por fim o vereador insiste em atribuir a este jornal uma relação duvidosa com o poder público. Deveria o vereador se preocupar em conquistar maturidade. Em outubro de 2012, em editorial, este jornal já cobrava postura ao parlamentar. “Piadista, adora criar apelidos aos colegas. Um menino pobre que encarou os desafios e venceu na vida. Além de vereador reeleito, Leitinho se formou médico veterinário. Mas seu desequilíbrio pode ruir tudo o que construiu”. A frase escrita em 2012 ainda faz todo sentido. Uma pena.

EXEMPLO
Por outro lado, a vereadora Carol Moura demonstra equilíbrio e sensatez importante para o trabalho parlamentar. Ao invés de criar factoides, tem procurado ser útil e contribuir com a cidade. Diante da crise econômica em que o País vive, parece que ela entende a necessidade de buscar recursos, seguindo o exemplo do petista Professor Antonio e da base aliada do prefeito.