in

Captura de morcego morto com o vírus da raiva coloca Setor de Zoonoses em alerta

O Setor de Zoonoses alerta novamente a população para os riscos da doença e como prevenir ou tratar os eventuais casos suspeitos em animais domésticos ou silvícolas

captura-de-morcego-morto-com-o-virus-da-raiva-coloca-setor-de-zoonoses-em-alerta-jno
Publicidade
detran-jno

Acionada pelos moradores, no último mês de setembro, a equipe do Setor de Zoonoses da Secretaria de Saúde de Nova Odessa capturou um morcego dentro de uma residência no Parque Fabrício. O animal já estava morto. Mesmo assim, seguindo o protocolo, o espécime foi encaminhado para o Instituto Pasteur, para exames laboratoriais. Os resultados saíram no final de outubro, e confirmaram resultado positivo para o vírus da raiva.

Por isso, o Setor de Zoonoses alerta novamente a população para os riscos da doença e como prevenir ou tratar os eventuais casos suspeitos em animais domésticos ou silvícolas. Além disso, chama a atenção para a importância de se adotar medidas de precaução em caso de encontrar um morcego vivo ou morto em situações consideradas anormais – caído no chão, pendurado em janelas, cortinas, em cima da cama, à luz do dia.

A recomendação é não tocar no animal e ligar imediatamente para o Setor de Zoonoses ou a Defesa Civil Municipal – nos telefones (19) 3466-3972 ou (19) 99822-9230, respectivamente –, para que uma equipe vá até o local e capture o animal, vivo ou morto.

“Se possível, capture o animal sem tocá-lo, utilizando panos, caixas de papel, baldes ou mantendo-o preso em ambiente fechado até a chegada da equipe municipal”, disse a médica veterinária Paula Faciulli, coordenadora do Setor de Zoonoses.

Na sexta-feira (05/11), os Agentes de Endemias do Município estiveram no Parque Fabrício passando de casa em casa, conversando com os moradores sobre a captura do morcego e os orientando em relação à vacinação antirrábica.

“Observamos que vários animais das casas já estão vacinados, isso mostra a responsabilidade que os donos têm pelos seus pets”, ressaltou Paula. Os tutores de animais domésticos, especialmente da região do Parque Fabrício, também têm que estar atentos para a atualização da vacinação de cães e gatos. A vacina antirrábica deve ser feita nos pets a cada 12 meses em uma clínica veterinária.

“Lembrando que próximo ao bairro tem uma área verde do IZ (Instituto de Zootecnia), que é bem propícia para ter morcegos, pois eles fazem parte do ecossistema do local”, finalizou a veterinária. Conforme a Lei de Crimes Ambientais (nº 9.605/1998), morcegos são espécies nativas e não devem ser mortos ou feridos, possuindo grande importância no equilíbrio dos ecossistemas.

 

VACINA ANTIRRÁBICA

Neste ano, as prefeituras da região não estão podendo aplicar gratuitamente as vacinas antirrábicas nos animais domésticos porque Ministério da Saúde não enviou as doses necessárias para a campanha, o que se repete pelo terceiro ano seguido. Por isso, é recomendado que os proprietários de animais levem seus pets a uma clínica veterinária.