in

COPO MEIO CHEIO OU MEIO VAZIO

COPO MEIO CHEIO OU MEIO VAZIO
É inegável que a suspensão temporária dos exames clínicos de rotina (já que os emergenciais seguem sendo realizados no Hospital Municipal) tem trazido dor de cabeça ao secretário de Saúde, Vanderlei Cocato. Porém, é inegável também que Cocato vem trabalhando forte na pasta que, não só em Nova Odessa, mas em todo o País, sempre está na alça de mira. Nos últimos dias, por exemplo, o secretário anunciou a reforma completa do Setor de Fisioterapia do Ambulatório de Especialidades, obra que vai, por que não, transformar o atendimento e era muito aguardada pela população. Cocato, num trabalho de formiguinha, conseguiu doações importantes para o hospital (cobertores e edredons) e adquiriu três desfibriladores, 200 ternos cirúrgicos e 200 camisolas para pacientes, num investimento que passou de R$ 50 mil.

COPO MEIO CHEIO OU MEIO VAZIO 2
Sucesso também foi a campanha que incentiva o aleitamento materno, dentro do “Agosto Dourado”, denominada “Hora do Mamaço” e que aconteceu no sábado passado. A iniciativa inédita na cidade reuniu famílias, autoridades e profissionais da saúde. Recentemente, a importância da anotação de enfermagem foi tema de palestra profissionais da área que atuam na Secretaria de Saúde, ministrada pelo enfermeiro Cleber Boas Gonzaga, do Coren (Conselho Regional de Enfermagem). O evento visou fortalecer e aprimorar o quadro de profissionais do setor, por meio de treinamentos.

COPO MEIO CHEIO OU MEIO VAZIO 3
Nos próximos dias, o secretário de Saúde também vai anunciar a reforma do Hospital e Maternidade Doutor Acílio Carreon Garcia, vai inaugurar a UBS do Jardim Alvorada e receber as chaves da Academia da Saúde, que fica no mesmo bairro, e que atenderá os serviços de fisioterapia até que a reforma no setor lá no Ambulatório esteja concluída. Muitas vezes é fácil ser a pedra. O duro é ser a vidraça.

Publicidade
AllGo Locação de Impressoras

MAIS UM
O deputado Jair Bolsonaro (PSL-RJ), um dos 13 candidatos à Presidência da República, entrou na última quinta-feira, dia 16, com o sexto pedido de impugnação (questionamento) do registro de candidatura de Luiz Inácio Lula da Silva (PT-SP) ao cargo, alegando que o ex-presidente inelegível. No pedido, os advogados Tiago Ayres, Gustavo Bebianno Rocha e André Castro, que representam Bolsonaro e a coligação Brasil Acima de Tudo, Deus Acima de Todos, detalham o processo que levou à condenação de Lula no caso do tríplex do Guarujá (SP) e afirmam que, em decorrência disso, o ex-presidente é inelegível.

RELATOR
O vice-presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luís Roberto Barroso, relator do registro de candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, disse que “faremos o que é certo” ao ser questionado sobre o encaminhamento do processo. Na quarta-feira, dia 15, poucas horas depois de o PT entrar com o pedido de registro da candidatura de Lula à Presidência da República, o Ministério Público Eleitoral (MPE) protocolou uma impugnação (questionamento), argumentando que o ex-presidente não é elegível, de acordo com os critérios da Lei da Ficha Limpa. A questão deve ser analisada por Barroso.

Publicidade
instituto_728x90_60kb