Produtividade, ócio e redes sociais

O mundo dos negócios quer resultados. O administrador visa o lucro; o publicitário, a venda; o engenheiro, o custo/benefício e por aí vai. Tudo em prol do progresso da empresa. E hoje, as redes sociais de bate-papo estão cada vez mais sendo utilizadas para agilizar a comunicação entre colegas de trabalho. O que gera uma discussão gigantesca sobre elas serem vilãs ou facilitadoras no mundo empresarial. No fundo a pergunta é: ela auxilia no progresso da empresa?

O progresso, por sua vez, é a premissa para qualquer negócio. Não à toa, a palavra “negócio” pode ser entendida como “negar” o “ócio”. Em nossa sociedade ocidental, que valoriza o trabalho a todo custo, quem vive de ócio algumas vezes é considerado “vagabundo”; vide os adjetivos que pessoas preconceituosas dão a artistas, por exemplo.

Curioso é saber que todo o processo de criação demanda de ócio, o que chamamos de “ócio criativo”. E parece que hoje estamos com tantos “negócios”, ou melhor, há tanta negação do ócio que a própria criatividade hoje é uma das características mais pedidas entre recrutadores.

Quantas vezes não estamos quebrando a cabeça com algum problema e só conseguimos resolvê-lo no momento em que relaxamos e esquecemos dele? Parece que a solução vem à mente em milésimos de segundo. Os verdadeiros insights normalmente chegam pelo ócio.

Publicidade
AllGo Locação de Impressoras

Quem precisa ficar 24 horas diárias conectado, trabalhando, não se permite ao ócio. Os insights, consequentemente, diminuem. Se a resolução de problemas é prejudicada, a produtividade cai. O descanso do indivíduo não acontece. Daí, a cada mensagem que chega, mais um estresse acumulado. Somente o barulho da mensagem já traz todo estresse de volta. Por isso, a síndrome de burnout está cada vez mais comum em nosso tempo.

As redes sociais de bate-papo, que eram para ser facilitadoras, acabam dominando os dias, as horas, os minutos e os segundos do dia e, ainda, invadem nossos finais de semana, feriados e férias. Já é tempo de colocarmos um basta, harmonizarmos nosso cotidiano e perguntarmos: quem serve a quem?

*Leonardo Torres, 29 anos, pesquisador, professor, doutorando em Comunicação e Cultura e pós-graduando em Psicologia Junguiana.