in

Polícia despreparada

Planos táticos escritos devem ditar o uso da força de segurança de aplicação da lei e planos de contingência

Não é a primeira vez que trato desse assunto, mas basta assistir ao vivo a atuação da Polícia Militar contra os desordeiros em plena destruição dos bens públicos e privados para se ter a certeza que a estratégia é ruim! Quem sabe citando algumas fontes estrangeiras faça o Comando da Polícia repensar suas estratégias?
O que ainda se vê? Manifestantes criminosos tem treinamento de guerrilha, atacar, dispersar, reagrupar, atacar… Montam uma barricada de pneus, lascam fogo, a polícia atua com bombas de efeito moral, que desagrupa. Porém eles estão preparados e logo adiante repetem a ação. Quando acabam os pneus, começam a depredar o que encontram pela frente, armam-se de pedras fornecidas por muitas caçambas de construção que encontram pela frente (por que a PM não fez uma varredura antes?) e passam a apedrejar os policiais. E qual a resposta? Mais bombas para desagrupar! O que? Estão atacando policiais com rojões e pedras e são empurrados para destruir mais? Eita estratégia ruim! Da Autoridade Policial, claro!
Nos Estados Unidos da América, a estratégia é outra, leio no Chicago Tribune que ativismo como o “black block” é considerado uma ameaça. Antes de uma reunião da cúpula da OTAN em Chicago, cinco manifestantes foram presos e acusados de conspiração para cometer terrorismo. Eles foram presos depois de comprar gasolina e começar a fabricar coquetéis molotov. Tinham planos de atacar delegacias de polícia e o escritório do prefeito. Leio ainda que o FBI infiltra agentes nos grupos criminosos para agir antes.
A polícia de Chicago usou um terço do efetivo para aquele evento. E os policiais foram treinados para enfrentar esse novo tipo de problema social. Muitos manifestantes foram catalogados e monitorados nas ruas, a polícia estava pronta para prender rapidamente qualquer manifestante que se tornasse violento.
Já a Revista Police Magazine, da Califórnia, tem um artigo que ensina os policiais daquele estado como lidar com anarquistas. Nem todo manifestante e criminoso, mas quando for preciso lidar com manifestantes criminosos, alguns pontos-chave são cruciais. Em primeiro lugar, saiba que você será gravado, para demonizar ou expor provocações. E as gravações podem ser editadas e manipuladas contra ao policial. Muitos manifestantes são estudantes de advocacia, conhecem as leis de busca e apreensão, ou seja, o policial tem que compreender claramente as leis e os direitos constitucionais do cidadão.
Nos Estados Unidos, muitas leis locais regulam as limites dos protestos e seus participantes, como o tamanho máximo de cartazes e faixas, o uso de som amplificado, e o uso de revestimentos faciais. Conhecer esses detalhes permite ao policial remover manifestantes criminosos por estas infrações menores. Remover, não dispersar, perceberam?
Talvez o mais importante, as autoridades policiais devem planejar com antecedência. Devem saber quem poderá participar. Planos táticos escritos devem ditar o uso da força de segurança de aplicação da lei e planos de contingência. Devem ser claramente definidas as zonas de protesto e bem separadas dos contra-manifestantes. Difícil de fazer?

Publicidade
instituto_728x90_60kb