in

Vagner Barilon destaca R$ 2 milhões intermediados pela Câmara em 2020

O presidente do Legislativo cita recursos autorizados para o combate à pandemia de Covid-19

Publicidade
detran-jno

O vereador e presidente da Câmara de Nova Odessa, Vagner Barilon (PSDB), encerra no próximo dia 31 o segundo biênio à frente do Poder Legislativo. Durante a sessão de segunda-feira (14), Barilon avaliou a carreira política de três mandatos seguidos e os dois períodos na Presidência – 2013/14 e 2019/20. Este ano, a Câmara intermediou a liberação de R$ 2 milhões em recursos ao município.

“Conseguimos liberar 400 mil reais do duodécimo da Câmara, além de 600 mil do Fundo Municipal de Habitação e 1 milhão do Fundo de (Preservação de) Recursos Hídricos. Totalizou 2 milhões de reais liberados para o município investir no período de pandemia do novo coronavírus”, destaca Barilon.“Proporcionaram ações que tiveram resultado prático, ajudando a evitar mortes”, acrescenta. Logo no começo da pandemia, Barilon conversou e sugeriu ao prefeito Benjamim Bill Vieira de Souza (PSDB) a transferência de R$ 1,6 milhão, depositados em dois Fundos Municipais, além de antecipar a devolução de parte do orçamento anual (duodécimo) do Poder Legislativo para o Executivo, no valor de R$ 400 mil. “Foi a medida que achamos necessário tomar”, recorda o presidente.

O prefeito então enviou projetos de lei e os vereadores aprovaram a autorização para realocar recursos financeiros depositados no Fundo Municipal de Preservação de Recursos Hídricos (R$ 1 milhão) e no Fundo Municipal de Habitação (R$ 600 mil). A liberação das verbas foi realizada para auxiliar a Secretaria Municipal de Saúde na aquisição de insumos e equipamentos para a Covid-19. Barilon fez avaliação de seus três mandatos (2009- 2020) na Câmara. “Esses 12 anos me fizeram uma nova pessoa, e pra melhor. Me dediquei ao longo desse período para ajudar as pessoas e defender o interesse de Nova Odessa”, ressalta. “É motivo de orgulho eterno ter estado por três mandatos no Legislativo. Mas não fiz nada sozinho, porque a Câmara é um órgão colegiado”, completa.