in

Prefeitura garante que nenhum morador recebeu vacina vencida da AstraZeneca

De acordo com a Vigilância Epidemiológica, erro de digitação no Sistema VaciVida levou o município a figurar na lista de cidades que receberam lotes fora do prazo de validade

prefeitura-garante-que-nenhum-morador-recebeu-vacina-vencida-da-astrazeneca-jno
Publicidade
detran-jno

Embora figure na lista de 1.522 municípios que teriam aplicado doses vencidas da vacina AstraZeneca, divulgada pelo jornal Folha de S. Paulo nesta sexta-feira, a Prefeitura de Nova Odessa garantiu, em esclarecimento divulgado à imprensa, que nenhum morador foi imunizado com doses de lotes fora do prazo de validade. De acordo com a reportagem, as duas supostas doses aplicadas em Nova Odessa – uma na UBS do Jardim São Francisco e a outra, no PSF do Jardim São Jorge – seriam do lote 4120Z005. Contudo, de acordo com a Vigilância Epidemiológica, um simples erro de digitação no Sistema VaciVida. Ainda segundo a prefeitura, as duas doses efetivamente aplicadas eram de outro lote, dentro da validade. Dessa forma, nenhum morador da cidade precisa ser revacinado.

“Quanto ao aparecimento de Nova Odessa numa suposta lista de cidades onde teriam sido aplicadas doses vencidas da vacina de Oxford, a Vigilância Epidemiológica local explicou tratarem-se se simples erros de digitação no Sistema VaciVida, já corrigidos. As duas doses efetivamente aplicadas nos moradores eram de outro lote, dentro da validade. Dessa forma, nenhum morador da cidade precisa ser revacinado. Os dois erros já foram identificados e arrumados no sistema VaciVida. Um dos erros tinha o registro de um lote que nós nunca sequer recebemos. E o segundo erro foi de registro no Hospital: a primeira e a segunda dose foram registradas no sistema no mesmo dia, o que gerou a confusão, pois salvaram a primeira e a segunda dose com o mesmo lote. Nenhuma vacina vencida foi aplicada em Nova Odessa”, explicou a coordenadora da Vigilância, Paula Mestriner.

A reportagem da Folha de S.Paulo cruzou os dados dos sistemas DataSUS (do Ministério da Saúde, que identifica todos os vacinados com um código individual) e Sage (Sala de Apoio à Gestão Estratégica, responsável por armazenar os dados dos imunizantes entregues para os estados com número de lote, data de validade e outras informações). O levantamento levou em consideração a vacinação realizada até 19 de junho.

Em nota à Folha de S. Paulo, a Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo confirmou cerca de 4.000 doses ministradas após a validade. A pasta firmou que orienta os municípios sobre a aplicação da vacinação contra a covid-19 e a importância de verificar a data de validade antes do uso do frasco de uma vacina. Os casos constatados de aplicação de vacina fora da validade serão avaliados individualmente para definição da conduta apropriada definida pelo PNI (Programa Nacional de Imunizações), segundo a Saúde de São Paulo.