in

‘Incompetente é o prefeito’, diz Oséias, durante debate sobre as ambulâncias

Vereador ficou extremamente irritado com ausência da secretária-adjunta Sheila Moraes e da diretora de Vigilância em Saúde, Josiane Martins Gomes; coordenador do setor chegou atrasado

incompetente-e-o-prefeito-diz-oseias-durante-debate-sobre-as-ambulancias-jno
Publicidade
detran-jno

O vereador Oséias Domingos Jorge (DEM) chamou o prefeito Cláudio José Schooder, o Leitinho (PSD), de “incompetente” por manter na Secretaria de Saúde servidores que, segundo ele, se recusam a prestar contas à população. A declaração foi dada durante o debate promovido nesta segunda-feira pela Câmara de Nova Odessa para tratar sobre o estado de conservação das ambulâncias municipais e num momento de fúria do parlamentar pela ausência da secretária-adjunta Sheila Moraes e da diretora da Vigilância em Saúde, Josiane Martins Gomes. Também convocado, o coordenador do setor de ambulâncias, Tiago Fávaro, chegou cerca de 30 minutos atrasado ao debate.

Sheila, que na época do escândalo da ambulância cuja porta foi amarrada com lençol – isso em outubro passado – ocupava o cargo de secretária-interina de Saúde após a saída do médico Nivaldo Luiz Rodrigues, foi substituída pelo atual titular da pasta, Silvio Corsini. Visivelmente “perdido”, Corsini, entretanto, pouco contribuiu, e por isso foi “poupado” por Oséias. O vereador, entretanto, não teve a mesma compaixão pelos demais servidores. “Se preparem! Eu vou fazer uma nova convocação, porque é fácil ficar aí no ar condicionado, ganhando R$ 8 mil por mês e não se justificar perante a população. Isso até eu quero! Seus incompetentes! Vocês são incompetentes e não merecem estar à frente da Saúde de Nova Odessa. E mais incompetente é o prefeito (Leitinho), que aceita essas pessoas! Não estou aqui para ficar aplaudindo vocês”, esbravejou Oséias.

Bastante contrariado, Oséias chegou a sugerir ao presidente da Câmara, Elvis Garcia, o Pelé (PSDB) que encerrasse o debate. “Pra mim, esse debate já está encerrado, até porque as pessoas interessadas e que deveriam estar aqui mostrando a verdade para a população, não estão aqui. Então, pra mim, esse debate já está encerrado”, disse o autor do requerimento. Pelé, porém, contornou a situação e resolveu prosseguir com o debate, passanda a palavra ao secretário de Saúde.

LENÇOL

A crise no setor de ambulâncias em Nova Odessa teve como estopim o flagrante de um veículo cujas portas traseiras foram amarradas com um lençol durante o transporte de uma gestante entre o Hospital e Maternidade Doutor Acílio Carreon Garcia e o Hospital Estadual de Sumaré. A imagem viralizou nas redes sociais e ganhou repercussão em todo o Estado. A mãe da paciente contou que, na ocasião, a filha passou mal e procurou atendimento médico no hospital de Nova Odessa, mas foi transferida para a unidade em Sumaré.

“A porta da ambulância abriu no caminho. Eu gritei ‘motorista’ e ele parou, fechou a porta e a gente foi até lá. E chegando lá na verdade foi chamada outra pessoa, porque a porta da ambulância estava amarrada com um pano”, contou.