Empresa já atua na reforma das UBS’s do São Jorge e São Manoel, em Nova Odessa

O som que toma conta das unidades de saúde é o das betoneiras, marretas e carriolas

As obras de reforma das UBS’s (Unidades Básicas de Saúde) do Jardim São Jorge (2) e São Manoel (3) voltaram ao ritmo normal depois da paralisação provocada pelo rompimento unilateral do contrato com a antiga empresa responsável pelo trabalho. As obras agora estão sendo executadas pela Vênus Engenharia e Construtora Ltda, devem ser concluídas em seis meses. A empresa foi a segunda colocada na licitação e foi convocada após a Prefeitura de Nova Odessa rescindir o contrato com a R&A Engenharia, Construções e Meio Ambiente Ltda.

O som que toma conta das unidades de saúde é o das betoneiras, marretas e carriolas. “Tivemos, infelizmente, um contratempo na reforma dessas duas importantes UBS’s por conta do rompimento do contrato com a antiga empresa, que não conseguiu cumprir o cronograma de trabalho. Mas o importante é que a população, em nenhum momento, ficou sem atendimento e logo terá uma UBS bem mais estrutura à sua disposição, garantindo o melhor acolhimento aos usuários”, disse o secretário Saúde, Vanderlei Cocato.

Publicidade
AllGo Locação de Impressoras

Com a retomada dos trabalhos nas duas UBS’s, Nova Odessa tem agora 18 obras em andamento simultaneamente na cidade, de médio e grande porte, em diversas áreas: Educação, Saúde, Mobilidade, Esporte e Lazer e Qualidade de Vida. Nas UBS’s especificamente, as obras contemplam a troca do piso por porcelanato, troca do piso externo, de portas, do forro, pintura, colocação de toldos e adaptação dos banheiros para garantir acessibilidade. “Após a rescisão, medida que adotamos conforme previsto no contrato e na legislação, agilizamos ao máximo o processo para a segunda colocada pudesse assumir a obra”, explicou o secretário de Obras, Projetos e Planejamento Urbano, Elvis Ricardo Garcia, o Pelé.

O contrato com a R&A Engenharia foi rescindido unilateralmente pela Prefeitura em maio. A decisão foi tomada pela Administração Municipal três meses após o início das reformas, após seguidas interrupções injustificadas nas obras. Conforme prevê a Lei de Licitações (8.666/93), a segunda colocada aceitou assumir as obras nas mesmas condições oferecidas pela empresa vencedora do processo de licitação. A reforma das duas unidades básicas de saúde foi orçada em R$ 445 mil.