Em aula sobre origem da água, estudantes conhecem ‘nascente modelo’ em Nova Odessa

A mina é afluente do Sistema Lopes, um dos dois utilizados no abastecimento do município, e se tornou um símbolo da recuperação hídrica novaodessense após a grave crise de 2015

Os alunos do 5º ano A da Emefei (Escola Municipal de Ensino Fundamental e Educação Infantil) ‘Vereador Osvaldo Luiz da Silva’, no Jardim Marajoara, passaram a enxergar a água que sai das torneiras de suas casas de forma diferente, depois da aula prática da última quarta-feira (13). Em mais uma atividade do Programa Municipal de Educação Ambiental de Nova Odessa, desenvolvido pelas secretarias de Educação e Meio Ambiente, eles conheceram a ‘nascente modelo’ da cidade, localizada no sítio Piraju. A mina é afluente do Sistema Lopes, um dos dois utilizados no abastecimento do município, e se tornou um símbolo da recuperação hídrica novaodessense após a grave crise de 2015.

A visita serviu para complementar o que os estudantes haviam aprendido na teoria, durante as aulas da professora Maria de Lourdes Ribeiro da Silva. No sítio, eles viram a água “brotando” da terra, caminharam pela área preservada pelo sitiante Sílvio Campos, de 84 anos, e sua família e entenderam como são formadas as cinco represas que garantem o funcionamento do melhor sistema de abastecimento de água da RMC (Região Metropolitana de Campinas), segundo pesquisa divulgada no mês passado pelo Instituto Indsat (Indicadores de Satisfação dos Serviços Públicos).

Publicidade
AllGo Locação de Impressoras

Para a professora Meria Brito de Jesus, interlocutora do Programa Município VerdeAzul, iniciativa do Governo do Estado criada com objetivo de estimular e auxiliar as prefeituras na elaboração e execução de políticas públicas para o desenvolvimento sustentável, trabalhar essa questão com os alunos tem como objetivo despertar a atenção em relação à necessidade de criar atitudes que garantam a qualidade e a sustentabilidade da água que brota do subsolo, tanto no município como no planeta, uma vez que o meio ambiente é formado por elos que não podem ser quebrados ou interrompidos.

“Queremos que eles entendam que não é necessário estar perto de uma nascente para contribuir com a sua preservação. Hoje [quarta], eles vivenciaram a sensibilização ambiental, principalmente por terem a oportunidade de saber que algumas ações que realizam no cotidiano contribuem ou prejudicam o meio ambiente”, explicou Meria.

Também participaram da atividade o diretor da escola do Jardim Marajoara, Valdecir Felipe dos Santos, e três funcionários do IZ (Instituto de Zootecnia): Márcia Atauri Cardelli de Lucena, Ivana Maria Locali e Hiram Chaves. O diretor elogiou a ação e parabenizou o sitiante e a prefeitura pelo comprometimento com a preservação da nascente e de todo o entorno e a classificou como patrimônio da população.