,

Consumo de água em Nova Odessa é menor que o período pré-crise hídrica

População consome menos recursos hídricos após escassez em 2014

A média de consumo de água por habitante em Nova Odessa é hoje menor que no período anterior da crise hídrica ocorrida entre os anos de 2014 e 2015. O volume total de recursos hídricos gastos aumentou, devido ao acréscimo populacional e de ligações de água no período, mas o consumo médio por ligação caiu. De 454,80 litros por ligação por dia, em 2013, está atualmente em 402,69 litros/ligação/dia.
Em 2013 o município consumia 279,580 mil m³, ou seja, 279,5 milhões de litros de água. Na sequência, passou a 291,575 mil m³, no ano de 2014, depois caiu para 261,919 mil m³ em 2015 – já sentindo reflexos da escassez hídrica – e foi a 283,110 mil m³, em 2016. Este ano, com dados atualizados até o mês de junho, a média é de 275,920 mil m³, patamar um pouco abaixo do que se consumia em 2013.
Sendo assim, consome-se praticamente a mesma quantidade de água que o período anterior à escassez hídrica vivida em Nova Odessa e todo o Estado de São Paulo, mas o índice por habitante é menor. “O consumo total tem um acréscimo natural devido ao aumento na quantidade de pessoas e de ligações de água na cidade”, explica o diretor-presidente da Coden, Ricardo Ongaro.
Nos últimos anos, o município passou de 20.491 ligações de água para 22.840, um acréscimo de 2.349 unidades. Desse modo, o consumo médio por habitante foi reduzido, de 454,80 litros/ligação/dia, em 2013 (período pré-crise hídrica), para 417,51 em 2016 e está em 402,69 neste ano. Paralelamente, Nova Odessa trata menor volume de água, passando de 499,959 mil m³ em 2013 para 451,862 mil m³ em 2017.
Além da conscientização popular sobre a necessidade de gasto consciente de recursos hídricos, a redução na quantidade tratada é resultado do trabalho de diminuição do índice de perdas. Através da troca de redes, de adutoras e de hidrômetros, além da setorização e da implantação do sistema de controle de pressões, o município reduziu as perdas de 43%, em 2012, para 29% atualmente. O prefeito de Nova Odessa, Benjamim Bill Vieira de Souza, é presidente do Consórcio das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí (Consórcio PCJ) e destaca os investimentos feitos nos últimos anos. “Com trabalho de desassoreamento nas represas, recuperação de nascentes e troca de redes, diminuindo as perdas de água tratada, Nova Odessa tem hoje segurança hídrica”, cita. “Mesmo assim”, pondera o prefeito Bill, “as pessoas precisam continuar consumindo água com consciência”.