in

Com suspeita de fratura, idosa espera há 10 dias por tomografia e família faz BO

Moradora do Jardim Santa Rosa, de 71 anos, sofreu uma queda no dia 1º de junho e foi atendida no Hospital Municipal, mas não recebeu diagnóstico e nem medicamentos

com-suspeita-de-fratura-idosa-espera-ha-10-dias-por-tomografia-e-familia-faz-bo-jno
Publicidade
detran-jno

Com suspeita de fratura no fêmur, uma moradora do Jardim Santa Rosa, de 71 anos, aguarda há 10 dias pela realização de um simples exame de tomografia que pode confirmar o diagnóstico. A paciente sofreu uma queda da própria altura em sua casa, isso no dia 1º de junho, e foi levada até o Pronto-socorro do Hospital e Maternidade Municipal Dr. Acílio Carreon Garcia. Lá, ela foi atendida por um médico de plantão e, posteriormente, por um ortopedista. Este último, foi quem solicitou a tomografia. Familiares da aposentada Tannia Ramão Lopes relataram que, como o exame ainda não foi marcado, a única orientação recebida foi de “repouso”. Indignados com o descaso por parte da Secretaria de Saúde, eles registraram um boletim de ocorrência na Polícia Civil.

A fratura de fêmur tem um significado especial no idoso, pois nenhuma outra fratura aumenta tanto o risco de morte neste tipo de paciente como uma fratura do fêmur, principalmente na região do quadril. Segundo a Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia, um a cada quatro idosos, em média, morrem dentro de um ano após uma fratura de fêmur. “Após dias de espera, conversa com Serviço Social e Ouvidoria, nada foi feito. Apenas orientação de repouso. Minha mãe não recebeu nenhum medicamento e nenhum diagnóstico. Nenhum exame conclusivo foi realizado”, disse, indignado, o filho da aposentada, Anselmo Ramão Lopes, de 47 anos, que é técnico em ortopedia.

Ele, atualmente, vive na Europa, mas presenciou o acidente da mãe, já que passa férias em Nova Odessa. “Fraturas de fêmur em idosos normalmente correspondem a quase 30% de morte dessa faixa etária e na maioria das vezes, o tratamento é cirúrgico. Mas como tratar um paciente que não teve o atendimento adequado, de acordo com os protocolos de atendimento de urgência e emergência?”, questionou Lopes.

A Secretaria de Saúde foi questionada pela reportagem do Jornal de Nova Odessa sobre o atendimento oferecido à paciente e sobre a demora para a realização do exame de tomografia solicitado pelo médico ortopedista. Em nota, a pasta disse que foram realizadas na paciente radiografias da coluna, quadril e fêmur, com suspeita de fratura. “Ela foi medicada e liberada, e o médico solicitou a tomografia que pode confirmar ou afastar a suspeita, que por sua vez deve ser solicitada pelo Município com pedido de urgência via CROSS regional, ou realizada junto a fornecedores deste serviço contratados pela Saúde”, justificou.