in

Com protocolos sanitários, Câmara de NO retoma sessões presenciais

Além de acrílicos instalados entre as mesas dos vereadores, a Câmara fez aquisição de totens de álcool gel 70% e termômetro infravermelho

camara-de-nova-odessa-volta-a-realizar-sessoes-completas-na-proxima-semana-jno
Publicidade
detran-jno

Adotando protocolos da Diretoria de Vigilância em Saúde, para minimizar o contato social e os riscos de contágio pelo novo coronavírus, a Câmara de Nova Odessa fez a retomada segura das sessões presenciais na segunda-feira (14). Foi a última sessão semanal prevista no ano e também da atual Legislatura, que vinha se reunindo de modo online desde abril, devido à pandemia de Covid-19. Além de acrílicos instalados entre as mesas dos vereadores, a Câmara fez aquisição de totens de álcool gel 70% e termômetro infravermelho.

Desde o dia 3 de novembro foi reaberto o acesso do público aos gabinetes dos vereadores, mas as sessões mantidas sem a presença de pessoas externas, o que ainda permanece como forma de minimizar a exposição ao vírus. A Mesa Diretora do Poder Legislativo, composta pelo presidente Vagner Barilon (PSDB) e os vereadores Tiago Lobo (PV) e Sebastião Gomes dos Santos, o Tiãozinho do Klavin (PSDB), adotou uma série de medidas desde o início da pandemia. Uma delas foi o afastamento remunerado dos servidores idosos das suas atividades laborais, quando não foi possível o regime de trabalho remoto. Durante o período mais rígido da quarentena no país, os servidores trabalharam em sistema de rodízio, com adoção de atividades por trabalho remoto (home office). Os ocupantes de cargos em comissão se alternaram entre as atividades presenciais e aquelas por teletrabalho.

E internamente foi aumentada a frequência de limpeza de todas as dependências, protegendo o ambiente interno. Alguns dos vereadores foram diagnosticados com coronavírus, mas não houve casos entre os servidores. “Não tivemos nenhum funcionário efetivo da Câmara diagnosticado com Covid. Ou seja, as ações adotadas pela Mesa Diretora tiveram resultado”, defende Barilon. “Os vereadores realizam suas atividades principalmente nas ruas e acabam mais expostos aos riscos”, completa. A economia de recursos públicos foi outro fator levado em conta durante o período de fechamento da Câmara. Por exemplo, entre 27 de abril e 19 de outubro deste ano, em relação ao mesmo período em 2019, houve redução de 13,49% no gasto com água e esgoto, além de 16,82% em energia elétrica e 39,60% com as transmissões das sessões sendo feitas de modo virtual.