in

Circulação de caminhões próximos a mercado novamente é questionada em Nova Odessa

O vereador Poneis pede providências com relação à portaria do Supermercado Pague Menos

A circulação de caminhões para carga e descarga no entorno do Supermercado Pague Menos, em Nova Odessa, voltou a ser assunto na Câmara esta semana. O vereador Avelino Xavier Alves, o Poneis (PSDB), teve aprovado requerimento pedindo informações da Prefeitura sobre providências que poderão ser tomadas devido a relatos de moradores a respeito de transtornos ocasionados.

O parlamentar foi procurado por moradores das ruas Heitor Cibin, Anchieta e Riachuelo. O relato é de tráfego de caminhões permanecendo em frente das casas no aguardo da entrada para carga e descarga de mercadorias, o que tem causado problemas como barulho, fumaça e obstrução no trânsito. A Câmara já discutiu amplamente o assunto, até mesmo realizando um debate no ano passado.

Anteriormente, os veículos chegavam a qualquer hora do dia, às vezes de madrugada, permanecendo estacionados e aguardando para entrar no Centro de Distribuição do supermercado, onde são realizadas as cargas e descargas de produtos. Entretanto, em 2018 foi construída uma área específica de estacionamento para esse fim, do lado oposto ao das residências, na avenida Ampélio Gazzetta.

Publicidade
AllGo Locação de Impressoras

Poneis cita que também houve intervenções pontuais do Município, como a implantação de placas proibindo o estacionamento de caminhões e utilitários no bairro, além de intensificar a fiscalização da área. Agora o vereador questiona que problemas persistem na portaria que fica de frente para as vias do jardim Santa Rosa. “Os caminhões ficam meia hora, 40 minutos, ligados e esperando pra entrar”, relata.

O vereador sugere que o supermercado abra outra portaria, distante das casas e para facilitar o ingresso dos veículos, de modo que os mesmos não permaneçam por um período até a entrada. “A ideia é que os caminhões pesados não precisem entrar mais naquelas ruas”, defende. “O estacionamento construído do outro lado já ajudou 80% do problema. Falta agora só abrir outro portão”, completa.