in

Caso Russo: polícia mantém silêncio sobre investigações

Assassinato do secretário de Governo, Marco Barion, completou uma semana nesta segunda-feira; segundo a Secretaria de Segurança, não há detalhes que possam ser divulgados

Celso Daniel foi assassinado em 2002; Russo foi morto com pelo menos 13 tiros e Toninho teria atrapalhado a fuga de bandidos, segundo inquérito policial contestado pela família
Publicidade
detran-jno

A morte do secretário de Governo, Marco Antonio Barion, o Russo, completou uma semana nesta segunda-feira. E o silêncio tem marcado as investigações do caso, que está sob responsabilidade da Deic (Divisão Especializada de Investigações Criminais) de Piracicaba. Até agora, sabe-se apenas que o prefeito Cláudio José Schooder, o Leitinho, e a viúva de Russo, Talita Monção, foram ouvidos, isso, no mesmo dia da execução. Ontem, a reportagem do JNO questionou a SSP (Secretaria Estadual da Segurança Pública) se outras pessoas já haviam prestado depoimento e se a polícia ainda trata o assassinato como um “caso político”. Em uma nota de duas linhas, a pasta respondeu que “as investigações estão em andamento e, por hora, não há detalhes que possam ser divulgados”.

Homem forte da administração do prefeito Leitinho, Russo foi assassinado na manhã da segunda-feira passada nas imediações do prédio onde residia, no Jardim Marajoara. O crime aconteceu por volta de 7h30 na Rua Guilherme Klavin. O carro de Russo foi fechado por um veículo branco, de onde desceu o executor. O secretário foi atingido por pelo menos 13 tiros. Após os disparos, o criminoso entrou novamente no carro – onde era aguardado por pelo menos mais uma pessoa – e fugiu rapidamente do local.

Câmeras de segurança nas proximidades filmaram o ocorrido e podem ajudar a polícia na investigação. O atirador estava em um carro branco que fechou o veículo de Russo. O criminoso desceu do carro, fez os disparos e fugiu em seguida. Nas proximidades do local do crime os vizinhos relataram ter ouvido os tiros. Munições ficaram espalhadas pela rua e a área foi isolada para a perícia.

Marco Russo era cientista social formado pela Unesp de Araraquara. Foi assessor parlamentar do ex-deputado Antonio Mentor (PT), secretário parlamentar do ex-deputado José Mentor (PT), coordenador de Governo da Prefeitura de Iracemápolis e secretário de Administração da Prefeitura de Artur Nogueira. Sua última atuação foi como assessor do vereador Professor Antonio (PSD), em Nova Odessa, até outubro do ano passado, quando deixou a assessoria para assumir a coordenação da equipe de transição do prefeito Leitinho.