in

SAÚDE

SAÚDE
Na última quinta-feira, dia 18, a Secretaria de Saúde de Nova Odessa anunciou as obras de reforma e ampliação do Hospital e Maternidade Doutor Acílio Carreon Garcia. Com 18 itens, a lista de relação das obras demonstra o esforço da Secretaria em oferecer o melhor atendimento à população. Entre os itens, está a construção de uma sala de espera para atendimento médico que, inclusive, já teve início. Segundo o secretário de Saúde, Vanderlei Cocato, os pacientes, depois da triagem, vão aguardar atendimento nesta sala.

CONQUISTA
E quem comemorou a reforma e construção foi o prefeito Bill. “Demos mais um grande avanço na área da Saúde, com o lançamento das obras de reforma e ampliação do nosso Hospital e Maternidade Municipal. Uma obra que certamente vai transformar a nossa principal unidade de saúde em um novo hospital, graças a mais uma parceria que conquistamos junto à iniciativa privada”, escrever o prefeito em suas redes sociais.

OUTUBRO ROSA
A primeira-dama e presidente do Fundo Social de Solidariedade, Andréa Souza, convidou toda a população para participar da campanha “Outubro Rosa”, engaja na causa, a primeira dama escreveu em seu Facebook. “A campanha “Outubro Rosa” está a todo vapor – você ainda pode participar. Toda a arrecadação com a venda das camisetas do Outubro Rosa será revertida para exames de Mamografia e Ultrassom. Lembrando que no dia 27/10 as 08h, será nossa caminhada da – Prevenção de Câncer de Mama – com saída em frente a Prefeitura e irá até a praça central José Gazzetta. As camisetas estão sendo vendidas por R$20,00 – no Clube da Melhor Idade – rua Heitor Penteado, 199 – Centro – Fone – 3746-6053”, escreveu a primeira dama.

Publicidade
AllGo Locação de Impressoras

SEM CONTROLE
A denúncia de que empresas que apoiam Jair Bolsonaro (PSL) compraram supostos pacotes de fake news contra o PT para serem divulgados pelo WhatsApp com dinheiro de Caixa 2, revelada nesta quinta-feira em uma reportagem do jornal ‘Folha de S. Paulo’, provocou uma verdadeira guerra entre os candidatos à Presidência da República. Bolsonaro chamou a ação, que foi negada pelos empresários, de “apoio voluntário”, e disse que “não tem necessidade disso” em sua campanha. Do outro lado, Fernando Haddad defendeu a prisão dos envolvidos e a delação premiada, enquanto o PT entrou na Justiça para pedir uma investigação .

MOTIVO
O candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, afirmou nesta quinta-feira, dia 18, durante uma transmissão ao vivo nas redes sociais (live) que teme por sua segurança, daí a decisão de não participar de debates e evitar aglomerações. Ele se comparou com o juiz Sergio Moro porque ambos não têm liberdade para sair às ruas. “Eu não pertenço mais a mim mesmo. Hoje em dia eu e o Sergio Moro [juiz federal responsável pela Operação Lava Jato] não temos mais liberdade no Brasil. Nós não podemos ir a uma padaria comprar um pão, ir à praia com nossos filhos, perdemos completamente a liberdade. É um jogo de poder. A esquerda fará tudo para me tirar de combate”, disse.