in

CONVÊNIO

Bate-Rebate

CONVÊNIO
O prefeito Benjamim Bill Vieira de Souza assinou, esta semana, um convênio com o Governo do Estado para investimento de R$ 100 mil em infraestrutura urbana. O recurso é proveniente de emenda ao Orçamento apresentada pelo deputado Pedro Kaka (Podemos), a pedido da vereadora Carol Moura, do mesmo partido. Restou a dúvida sobre a destinação do dinheiro. Verbas de convênios são as chamadas “verbas carimbadas”, ou seja, que não podem ter outra destinação senão aquela prevista no convênio. A prefeitura informou que o recurso é para infraestrutura, enquanto a vereadora fala em ambulância.

PEDIDO
A vereadora Carol Moura (Podemos) postou na manhã de ontem, dia 7, um vídeo em sua página no Facebook relatando que estava indo para São Paulo encontrar o governador Geraldo Alckmin. Segundo a legisladora, o motivo da visita era para pedir uma unidade do Corpo de Bombeiros em Nova Odessa. “Está na hora da gente ter uma unidade, nós merecemos, nós precisamos”, argumentou a vereadora.

Publicidade
AllGo Locação de Impressoras

INCÊNDIO
No último dia 30, um incêndio que atingiu uma área de vegetação às margens da avenida Ampélio Gazzetta, no bairro jardim Europa, levantou novamente a discussão. Na ocasião, uma munícipe chegou a lamentar a falta de uma unidade no município. “A falta de uma unidade do Corpo de Bombeiros em Nova Odessa nos causa muita preocupação, imagina se pega fogo nos fios de energia elétrica?”, questionou.

PROMESSA
Em agosto de 2016, o deputado Vanderlei Macris já havia dito que a unidade era necessária no município. De acordo com o deputado, na época, já havia estudos para a construção de uma sede para a corporação. “Existe uma forte articulação entre o prefeito Bill, o governador Geraldo Alckmin, o deputado Cauê Macris e minha nesse projeto. O interesse da instalação do Corpo de Bombeiros não é nova. O governador já sinalizou positivamente à concessão de um caminhão e três oficiais chefes e o prefeito estuda a construção da sede para a corporação. O empenho é para que a unidade saia logo do papel”, contou o deputado Vanderlei Macris.