in

ANÁLISE

justica-eleitoral-registra-recorde-de-inscricoes-para-mesarios-jno
Publicidade
detran-jno

Analisando os números finais das eleições em Nova Odessa, entre os eleitores aptos a votar (46.731), 75,19% deles (35.136) foram às urnas, enquanto 24,81% (11.595) não compareceram. E entre os eleitores que votaram, 12,16% anularam (2.510) ou votaram em branco (1.763). Ou seja, se somados os eleitores que não votaram, anularam ou votaram em branco, 33,96%, total de 15.868 pessoas, não escolheram por prefeitos.

PANORAMA

A perspectiva enquanto prefeito de Cláudio José Schooder, o Leitinho (PSD), é não ter vida fácil na Câmara. Além da coligação encabeçada pelo PSDB fazer seis de nove vereadores, contra um do PSD e dois independentes (PV e Avante), a tendência é que a Presidência nos biênios 2021/22 e 2023/24 fique nas mãos do grupo tucano. A tendência é de fiscalização forte do Legislativo sobre a nova gestão e a dificuldade em aprovar alguns projetos.

VOTAÇÃO

Como sempre, a votação para vereador causou confusão em Nova Odessa. Pela questão das vagas serem dos partidos e não dos candidatos. Como a definição é pelos chamados ‘Quociente Eleitoral’ e ‘Quociente Partidário’, não necessariamente entram os nove mais votados. Paulo Bichof (PODE), 13º colocado com 440 votos, foi eleito assim como Márcia Rebeschini, que teve 396 votos, a 20ª posição no geral, e ficou com uma cadeira pelo PV.

FORTE

Apesar de enfraquecido a nível federal nas últimas eleições, o PSDB continua mostrando força no Estado de São Paulo. Dentre os 602 municípios paulistas onde já foram definidos os prefeitos, 169 são do PSDB, ante 67 do DEM, 62 do PSD, 52 do MDB, 50 do PTB e 39 do PL, entre outros. O destaque negativo ficou para o PT, alguns anos atrás uma das principais forças em todo o país, e agora fez apenas 2 prefeitos em todo o Estado.

FRACO

Um retrato da pouca expressão petista foi a votação baixa do candidato a prefeito pelo partido em Nova Odessa, Thiago Beroco, que com apenas 803 votos ficou em penúltimo entre os concorrentes ao Poder Executivo. Em 16 cidades com mais de 200 mil eleitores do Estado haverá 2º turno, alguns dos quais concorrem pelo PT. Há, ainda, 27 municípios onde existe uma indefinição devido a problemas dos candidatos com a Justiça Eleitoral.