in

ABRIU MÃO

ABRIU MÃO
O deputado estadual Cauê Macris (PSDB) – presidente da Assembléia Legislativa de São Paulo – abriu mão na última terça-feira, dia 10, de sua pré-candidatura ao Senado Federal. Em carta, Macris comunicou sua decisão ao presidente estadual do PSDB, Pedro Tobias. Apesar de ter construído expressivo apoio interno para sua pré-candidatura, Macris entende que o momento é de unificar o partido. “Tomo a difícil decisão de abrir mão da minha pré-candidatura até para evitar fissuras internas, o que prejudicaria a unidade partidária e, consequentemente, a candidatura de João Doria”, afirmou em comunicado.
PORTAS ABERTAS
Através de suas redes sociais, o prefeito de Nova Odessa, Benjamim Bill Vieira de Souza, deixou claro que as portas de seu gabinete estão abertas para a população novaodessense, segundo ele, as necessidades da população pautam o seu prefeito. “Procuro sempre encontrar um tempinho para tomar um café e bater um papo em meu gabinete com os moradores de Nova Odessa. Ouvir o que eles têm a dizer sobre a nossa cidade é muito importante para o bom andamento no nosso governo. São as observações deles, os elogios e as suas necessidades que pautam o meu dia a dia. Quero deixar registrado aqui que as nossas portas estão sempre abertas pra vocês”, escreveu em seu Facebook.
CAMINHÕES 
Alvo de reclamações pela sexta vez, o transtorno causado pelo estacionamento de caminhões na rua Anchieta, no jardim Santa Rosa, divide opiniões. De um lado, moradores defendem a permanência dos caminhões no local. “Senhor motorista, deixe de entregar sua mercadoria, aí às pessoas param de reclamar, não pode parar em nenhum lugar que as pessoas já começam a falar e reclamar”, escreveu um dos munícipes.
DO OUTRO
Já do outro lado, moradores enumeram as dificuldades por conta do estacionamento. “Pela milésima vez: os moradores não são contra os caminhoneiros, mas queremos sim, que eles parem em lugar adequado. E isso só é um problema pequeno pra quem não está respirando o diesel desses caminhões e ficando com problemas respiratórios. Há frigoríficos que ficam ligados do lado da nossa casa mais de 8h seguidas. Não, nós não reclamamos muito, estamos buscando os nossos direitos, assim como apoiamos os caminhoneiros a buscarem o direito de pararem pra pagar menos pelo diesel”, opinou outra moradora.
Publicidade
instituto_728x90_60kb